Propagandas e as crianças

26 fev
0 comment

Raquel de Godoy Retz Pompeo

 

A criança sofre continuamente o impacto da propaganda e influencia mais de 80% das compras de uma família.

A TV, a Internet, os outdoors e outros meios bombardeiam a criança desde o seio materno.

 

Nenhuma criança possui maturidade suficiente para decidir o que é necessário ou não para ela, ou que é bom para o contexto familiar.

Elas vão no “val da valsa”, isto é, o que é recomendado pela mídia, o que é apresentado como agradável, útil para a saúde, gostoso, desejável.

Os pais geralmente nem pensam em fazer também a sua propaganda: de frutas, legumes, verduras, superando a enxurrada de elogios a doces e chocolates.

 

Ressalto que o testemunho dos pais é a melhor propaganda. Pais saudáveis e não consumistas aumentam a probabilidade de que seus filhos sigam este caminho. Mas se você é daqueles que adoram comprar tudo o que vê, saiba que é vendo que a criança aprende. Mesmo que seu discurso seja contrário, o seu exemplo educa mais que palavras.

As leis que existem sobre o que pode ser veiculado para as crianças ainda não têm normatização federal e isto não favorece a produção de uma propaganda equilibrada, capaz de garantir a proposta de um consumo adequado às necessidades da criança e à saúde familiar.

 

Acompanhar a criança exposta aos excessos e desvios da propaganda, ajudá-la a discernir o que é verdadeiro e o que é falso, levá-la à autonomia de uma avaliação adequada, é tarefa dos pais, dos avós, dos educadores, enfim, de quem estiver ao lado da criança.

O mundo moderno é um mundo de lantejoulas e nós somos fascinados e arrastados por elas. Criamos hábitos em cima delas e nunca deles nos libertamos.

 

Mais que reagir, não devemos permitir que criem raízes. Lamentar o consumo do fumo, das bebidas e dos refrigerantes, das drogas e alucinógenos, de pouco adianta depois dos hábitos enraizados.

Educar, prevenir, orientar, esta é tarefa da educação, por mais que pareça tarefa de gigante. Pode até ser!

Mas não ignoremos os pequenos caminhos, como o da formiga, a do cupim, a do veio d’água que pode derrubar edifícios. Mas também pode construir.

 

A educação é construída por pequenos caminhos e acaba fazendo trilhas gigantescas. No dia a dia, demostrar o que realmente está por trás das belas propagandas, desmistificando o mundo maravilhoso, criará uma criança muito mais crítica e que no futuro saberá escolher entre o bem e o mal sem cair em armadilhas.