Família e tempo de oração

28 dez
0 comment

Foto: Shutterstock

Raquel de Godoy Retz Pompeo

 

As crianças aprendem a ser adultas observando tudo que acontece em sua volta, ou seja, como os pais se tratam, como agem em sociedade, como agem em relação a Deus. Tudo é aprendido. Não adianta falar: “não faça como eu”, pois os pequenos ao verem ou ouvirem o que você fala já registram uma alternativa da forma adulta de agir.

Então a pergunta que cabe sobre este tema é: Como está sua relação com Deus? Quanto tempo dedica do seu dia para falar com Deus? Como testemunha sua fé na frente das crianças?

Imagine que você irá dar uma festa em sua casa. É algo importante, certo? Para um evento passageiro você planeja, conversa, cria o cardápio, decide como será a arrumação do espaço, liga para pessoas e convida-as, enfim, realiza toda uma preparação.

Se Deus é importante em sua vida, que tempo você dedica Ele, planeja e se alegra com a presença Deus na sua rotina?

Seu testemunho, seu exemplo é que faz em toda a diferença no crescimento da fé das crianças.

Se você, ao falar de Deus, abre um sorriso, fica calmo, alegra-se, a criança que observa compreenderá que Deus é amigo, bondoso e confiável. Se os pais reclamam de ir à Igreja e se ameaçam a criança de que se errar, Deus não gostará dela, o que apresentam é um Deus que pune e não tem nada de bom.

Faça agora uma paradinha e pense como é que você fala de Deus, no seu dia a dia. Será que seus filhos veem que você reza e entrega-se nas mãos de Deus?

A dica é rezar em família. Conversar com Deus em uma linguagem fácil e em voz alta; assim, as crianças aprendem e até terão a liberdade de perguntar, de esclarecer eventuais dúvidas.

Participar com alegria das celebrações religiosas, também testemunha um Deus que deve fazer parte de sua rotina.

É fundamental dar graças a Deus pela vida, pelas alegrias, por ter certeza que no tempo de Deus as dificuldades passarão, por nossa vida estar sempre protegida por Ele e nunca nos faltar auxílios para vencer.

Se sua fé não está tão fortalecida, se você mais critica a Igreja do que a ajuda a ser melhor, não desanime; peça a Deus um coração que seja mais fervoroso e capaz de amar a Igreja mesmo com seus limites. Assim a criança entenderá que também deve crescer na fé e que ninguém é perfeito.

Ainda vale dizer que ler um bom livro espiritual ajudará você a ser sempre melhor educador da fé de seus filhos, principal herança que ninguém consegue roubar.