“Engole o choro!” Certo ou errado?

24 ago
2 comment

 

Raquel de Godoy Retz Pompeo

 

A criança ainda não sabe usar a linguagem. Usa o choro porque não sabe expressar o que não sabe falar. O choro, aliás, é uma linguagem e das mais eloquentes e eficazes.

Até os adultos se utilizam das lágrimas para expressar seus sentimentos ou obter coisas que desejam, conforme o caso.

Não confundir choro com birra. Nem é preciso explicar. Mas ensinar a “engolir o choro” é uma péssima forma de ensinar o controle das emoções.

 

Emoções devem ser controladas, mas não devem ser abafadas. Nem sequer os adultos devem fazer isso. As crianças precisam ver que os pais e parentes também choram.

É interessante observar como o choro é sempre atribuído aos mais fracos: às mulheres, aos doentes, aos velhos, aos menosprezados sociais.

O homem tem vergonha de chorar, de dar parte de fraco; e por isso tais pais não admitem choro, mesmo quando as crianças se machucam ou são judiadas.

“Engole o choro!” – Qual o resultado de uma atitude dessas? A criança não compreende o que é choro e o que ele pode significar. Choro não se engole, não se castiga, não se ensina a engolir.

 

Choramos na ânsia de expressar o que no momento não conseguimos falar. Isso vem como natural. Chorar não é vergonha para ninguém, porém há pais e até mães que parecem ter impregnada essa atitude em seu comportamento.

Vamos humanizar a educação. Vamos ensinar a nossos filhos o que são os verdadeiros sentimentos, o quanto vale a linguagem, que são as emoções.

Emoções fazem parte da vida e compreendê-las faz parte do processo de crescimento. Tudo tem sua idade! Mas, nada mais falso, que proibições descabidas ou punições deseducativas.

 

A vida é o que é. Mas há pais e educadores que engolem o choro, e eles são o modelo de vida para as crianças. Ninguém nasce sabendo. Se não fomos acostumados à leitura, sabemos só o que nos ensinam em casa, na escola, na rua, com a TV, com o cinema.

Atenção pais, o que vocês fazem com seus sentimentos é exemplo. Verifique seus conceitos e preconceitos em relação ao outro expressar o que sente também pelas lágrimas.

Vale dizer que também chorar por tudo ou sem motivo não é o desejado.

Nem 8 nem 88. Os pais devem cultivar em si mesmos o equilíbrio suficiente para distinguir uma situação de outra.

 

Mas, certamente, não é educativo mandar “engolir o choro”. Também não é educativo chorar por qualquer coisa.

Educação não se improvisa e nem se tem regras tão rígidas, se constrói com amor consciente e equilíbrio. E necessita de construtores.

Esperamos que estes temas possam ajudar as famílias a serem construtores de gente… pessoas felizes e realizadas.

 

Qual assunto você gostaria de esclarecer a respeito da educação de seus filhos? Escreva para nós devotosmirins@santuarionacional.com ou deixe seu comentário aqui em baixo 👇

2 Comentários

  1. Adriana
    1 semana atrás

    Amei o tema 😊

    Comente!
    1. Tijolinho
      Tijolinho
      1 semana atrás

      Que legal Adriana 😃 Continue acompanhando nosso site! Um grande abraço da Turminha.

      Comente!